01t.jpg
Camila Zminko, Paisagens Plastificadas.

EXPOSIÇÕES > (Des)Envolvimento

Curadoria: António Rodrigues, Luísa Fragoso, Miguel Paiva

(Des)Envolvimento resulta da parceria entre a Ci.Clo e o Curso de Comunicação Audiovisual da Escola Artística de Soares dos Reis (CCAudiovisual | EASR). Quatro alunos finalistas da Especialização de Fotografia foram desafiados a trabalhar o tema Adaptação e Transição, explorando o espaço e o tempo, dando liberdade à sua criação, ao seu pensamento e às suas preocupações.

Trabalharam sobre o território, sobre o ambiente, sobre a consciência e sobre a memória, numa adaptação e transição constante que lhes é própria da idade e da vontade.

Envolvem-se e desenvolvem-se, questionando o mundo em que cresceram, em que vivem e que querem construir.

Olha-me nos Olhos - Catarina Carneiro

O projeto passou pela procura de locais de criação de animais, com o objetivo final de sensibilizar o público para a redução da carne. A sua alimentação excessiva reflete-se na degração do ecossistema, e pode motivar a um colapso cilmático.

As fotografias subdividem-se em dois conjuntos, defendendo o conceito inicialmente estabelecido: “O animal humanizado”.

A primeira proposta capta os olhares dos seres vivos e denuncia as condições degradantes do espaços onde se devenvolvem. O segundo grupo de imagens passa por uma montagem que brinca com o contexto, o animal e o Homem, onde a intenção passa por apresentar uma transição de referentes, traduzindo que embora fisicamente distintos, ambos possuem sentimentos e direitos. Como seres que partilham o mesmo espaço, devem respeitar-se e saber viver em comunhão, sem danos ou brutalidades. “Tratar os outros como queremos que nos tratem de nós”, é a regra de ouro e os animais também fazem parte desse grupo, “os outros”.

Olha-os nos olhos, sensibiliza-te e reflete sobre os teus hábitos.

Paisagens Plastificadas - Camila Marinho Zminko

Paisagens plastificadas visa demonstrar o excessivo uso e produção do plástico umas das maiores causas da futura inabitabilidade do planeta.

As paisagens de plástico são paisagens criadas com lixo plástico recolhido, enfatizando a ideia da formação exagerada de resíduos e demonstrando uma realidade factual do problema.

O uso da paisagem enquanto expressão artística deve-se à dimensão espacial e ao seu caráter 100% natural, que cada vez mais deixa de o ser, devido à superprodução e poluição, tornando-a Paisagem plastificada e artificial.

Obras - Gonçalo Almeida

Obras de Gonçalo Almeida, é um projeto fotográfico desenvolvido em torno do tema Transição e Adaptação, que aborda a transformação de um espaço e a sua adaptação/transição para um outro, completamente diferente.

Durante cinco meses foram realizados registos fotográficos no sentido de ir mostrando as diferenças mais significativas que foram acontecendo ao espaço, ao nível do exterior e do interior. O pormenor, os trabalhadores e o edifício em geral foram o objeto principal de procura dessa transformação.

EgoEco - Inês Taveira

A base de nossa existência é o ambiente e, ainda assim, a maioria das nossas ações visa acelerar a contagem regressiva até o esgotamento.

Para a maioria de nós, mesmo que inconscientemente, a superioridade humana sobre o resto das espécies ainda é tomada como garantida. Acreditamos que somos melhores.

Esse é o tipo de raciocínio que deriva de um modelo de pensamento em que o humano está no topo da pirâmide.

A meu ver, a crise ecológica tem na sua raiz o egoísmo humano.

Dado isso, o projeto que apresento tem como base apresentar uma passagem de um “Egosistema” para um Ecossistema, onde vivemos em harmonia com o nosso ambiente. Demonstrando uma adequação ambiental, relacionando-se assim, ao tema da Bienal.

O ego é o antropocentrismo. É pensar que o homem é o centro de tudo e ver em todo o restante apenas uma subserviência forçada à raça humana.

A consciência de si mesmo e da importância de cada pequena coisa no mundo é o eco. Entender que tudo tem alma e que não somente a raça humana, mas todo o planeta, é essencial para a manutenção do equilíbrio terrestre.

Pretendo relembrar que também fazemos parte da natureza, sem qualquer sentimento de superioridade ou especialidade em relação a ela. O que acontece à terra, acontece ao habitantes da terra.

CASA TAIT
Rua de Entre Quintas, 219, 4050-240 Porto
+351 226057000
Seg > Sex 9h -17h

01t.jpg
Camila Zminko, Paisagens Plastificadas.
03t.jpg